O juiz federal Raphael Casella de Almeida Carvalho, da 8ª Vara Federal Cível de Mato Grosso, determinou, na última sexta-feira (11), a desocupação da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT). Na assembleia do último dia 8, os estudantes votaram pela greve estudantil e pela ocupação do câmpus. O juiz apontou o descumprimento de uma ordem dada no início do mês, quando os estudantes começaram a ocupar a universidade, e ainda fixou uma multa de R$ 5 mil por dia de descumprimento da nova decisão. A multa deverá ser paga pela estudante líder do Centro Acadêmico do Curso de Direito.

No início de maio, mesmo antes da deflagração da greve geral estudantil, acadêmicos estavam ocupando salas, laboratórios e a guarita dois da universidade. No dia 4 de maio, um oficial de justiça notificou os manifestantes de reintegração de posse. No dia seguinte a decisão foi cumprida. Porém, após a assembleia do dia 8, os estudantes voltaram a ocupar alguns prédios da universidade, o que, segundo o juiz, é uma desobediência a ordem anterior.

Em nota publicada no último sábado, a UFMT manifestou respeito à decisão, mas também apontou “preocupação com a decisão, por entender que o melhor caminho, no atual contexto, é o diálogo e a ação conjunta dos diferentes segmentos que compõem a comunidade universitária e a sociedade”. A instituição se posiciona contra a escolha de um estudante como o destinatário da multa por descumprimento e afirma que esta deveria ser destinada a entidade superior, e não ao indivíduo. A instituição afirmou ainda que está buscando a solução para o problema juntamente com entidades representativas e o poder público. “A Administração da UFMT e a comunidade universitária continuarão empenhadas em superar as dificuldades e reiteram seu compromisso com a autonomia universitária”, diz o texto.

Imagem destacada por Bárbara Muller/Leiagora.

Por Bárbara Muller.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, digite seu comentário
Por favor, digite seu nome aqui