A proposta de tabelamento do frete, acordada entre o presidente Michel Temer e os caminhoneiros para pôr fim à paralisação que desabasteceu o país em maio, enfrenta uma enxurrada de ações na Justiça. A AGU (Advocacia-Geral da União) informou nesta terça-feira (12) que já foram ajuizados 40 processos contra a medida. A proposta, segundo empresários, trava o escoamento da produção do país.

Como a Folha de S.Paulo noticiou no sábado (9), o Palácio do Planalto já admite a chance de a medida ser extinta e torce para uma saída judicial. A CNA (Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária) recorreu ao STF (Supremo Tribunal Federal). É a segunda ação na corte que questiona a constitucionalidade da medida provisória 832. Com ela, passa a ser obrigatório pagamento aos caminhoneiros pelo trajeto da volta. “Antes esse pagamento era opcional e muito raro”, diz Elisângela Pereira Lopes, assessora técnica da CNA.

“Agora o produtor que não pagar está sujeito a uma ação judicial, e a indenização é o dobro da diferença do que foi pago para o que está na tabela”, diz. O impasse em relação à tabela não tem data para terminar, segundo o ministro da Agricultura, Blairo Maggi. “O prejuízo para o agronegócio está sendo imenso”, disse. “As exportadoras estão atrasadas em 11 dias, e deveriam ser transferidos para os portos 450 mil toneladas de produtos por dia. Temos aí mais de 60 navios atrasados”, diz Maggi.

LAIS ALEGRETTI E NATÁLIA PORTINARI
BRASÍLIA, DF, E SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) 

Deixar uma resposta

Entre com seu comentário!
Por favor, entre com seu nome aqui.