O Governo do Estado de Mato Grosso ainda não assinou o convênio para a compra de equipamentos do novo Pronto Socorro de Cuiabá. O acordo, firmado em 7 de novembro de 2017, determina que o governo estadual deve repassar R$82 milhões para equipar a nova unidade. O convênio precisa ser assinado até o dia 7 de julho, caso contrário o município poderá perder os recursos devido ás restrições do período eleitoral.

O prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro foi criticado por não cobrar o repasse. Além disso, em janeiro deste ano, a Prefeitura de Cuiabá atrasou a entrega dos pré-projetos da aquisição dos equipamentos. Dessa forma, senadores e deputados federais resolveram passar as emendas parlamentares para o Governo do Estado, para que este arcasse com despesas de saúde.

As obras do novo Pronto Socorro começaram em 2013 e a inauguração, originalmente marcada para julho de 2017, foi adiada para abril de 2018 e posteriormente para junho do mesmo ano. Entretanto, não há previsão para a entrega da obra. Uma audiência pública foi realizada na tarde desta segunda-feira (14) na Câmara dos Vereadores de Cuiabá para discutir o problema. O governo do Estado foi convidado mas não enviou representante. Os vereadores temem que, com a proximidade das eleições, a Prefeitura perca o recurso pois o executivo estadual ficará impedido de assinar contratos.

A Prefeitura afirma que não tem recursos para a compra dos equipamentos e já lançou licitações contando com os R$ 82 milhões a serem repassados. Já o Governo do Estado afirmou esperar que a prefeitura envie a lista de equipamentos a serem comprados, mas não esclareceu se há dinheiro em caixa para fazer o repasse.

Imagem destacada: Assessoria.

Deixar uma resposta

Entre com seu comentário!
Por favor, entre com seu nome aqui.