ENTREVISTA: “Caminhoneiros trocaram o apoio da sociedade por uma tabela”, afirma presidente da Aprosoja-MT


O presidente da (Aprosoja) Associação de Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso, produtor rural Antonio Galvan, em entrevista ao LTV, Leiagora, voltou a condenar a  Medida Provisória 832, que institui tabela de Preços Mínimos de Fretes  e que foi aprovada pela Câmara Federal nesta quarta (11). Galvan considerou essa medida um retrocesso na livre negociação e que “os caminhoneiros trocaram o apoio da sociedade por uma tabela” e alega que os caminhoneiros esqueceram a causa do problema que atinge a todos. “Houve uma mobilização de todos os segmentos em apoio a greve contra o abuso dos impostos sobre os combustíveis, gás de cozinha e energia elétrica.”

“Desafio novamente os caminhoneiros a fazerem uma nova greve porque não irão contar com o apoio que tiveram dos produtores, dos comerciantes e da população”, assegurou o líder ruralista ao manifestar apreensão com os rumos da economia, com o tabelamento dos fretes e principalmente da obrigatoriedade de pagamento de frete de retorno. Os reflexos dos custos no transporte inviabiliza a produção e alerta que mais uma vez a conta será paga pelo consumidor.

Em entrevista, ao Portal LEIAGORA, o presidente da APROSOJA teceu duras críticas ao Fethab (Fundo Estadual de Transporte e Habitação) , FEF (Fundo de Estabilidade Fiscal)   e sobre o posicionamento da classe produtora diante das candidaturas presidenciais, afirma que ainda não tem um nome para representar a categoria na eleição deste ano e que “os candidatos que se apresentaram até agora são os mesmos de sempre, figuras carimbadas”. Comentou também sobre a presepada do poder judiciário na frustrada tentativa de libertar o ex-presidente Lula. Com conteúdo forte e incisivo,  veja a entrevista completa.

2 recomendado
comments icon 1 comentário
bookmark icon

Um pensamento em “ENTREVISTA: “Caminhoneiros trocaram o apoio da sociedade por uma tabela”, afirma presidente da Aprosoja-MT

    Escreva um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *