EXCLUSIVO: Mauro Mendes fala de primeiras ações ao assumir mandato – Vídeo no LTV


Um dia após ser eleito governador de Mato Grosso, Mauro Mendes (DEM), visitou os estúdios do LTV e concedeu uma entrevista exclusiva ao nosso jornalista Iury Lupaudi do Portal Leiagora, na noite desta segunda-feira (8), em Cuiabá. Mendes, que foi eleito com mais de 58% dos votos válidos, destacou as primeiras medidas que realizará ao assumir o Palácio Paiaguás, a partir do dia 1º de janeiro de 2019. De imediato, ações na área da Saúde, equilíbrio das contas do Estado e retomada das obras paralisadas.

“Vamos ao longo dos próximos três meses fazer um trabalho de transição, detalhar, planejar e ter acesso um pouco mais das informações que ainda não tivemos, devido ao curto espaço da campanha eleitoral.  Até porque durante a campanha você não consegue aprofundar qualquer tema. Ao fazer isso, vamos construir nos próximos 90 dias essa agenda de ações a partir de 1° de janeiro. Não posso detalhar ainda, mas vamos priorizar, primeiro, ações para que a Saúde possa funcionar. Segundo, ações para equilibrar despesas e receitas do Estado de Mato Grosso, que lamentavelmente está quebrado“, afirma Mendes. 

Segundo ele, Mato Grosso passa hoje por grande dificuldade de honrar seus compromissos com fornecedores e Prefeituras. “Vários tipos de inadimplências e atrasos, criando grande dificuldade no dia-a-dia da máquina pública. E, vamos realizar ações também para que as mais de 400 ou quase 500 obras paralisadas no estado possam ser retomadas e colocadas em execução, no menor espaço de tempo possível”, garante.

AGRONEGÓCIO – O setor do agronegócio foi muito taxado pelo atual Governo com a criação do Fundo de Transporte e Habitação (Fethab) e do Fundo Emergencial de Estabilização Fiscal (FEE). Questionado sobre medidas a serem tomadas neste sentido, Mendes tranquilizou os produtores e disse que vai trabalhar numa simplificação tributária, já que a carga tributária é alta. “Muito mais do que uma alta carga tributária (e é alta mesmo precisamos reconhecer isso), temos que antes  de pensar em reduzir os impostos, reduzir as despesas. Se eu reduzo a receita, sem reduzir a despesa, vai faltar mais dinheiro ainda. Se hoje o dinheiro que tem é insuficiente para pagar a despesa, então seria loucura falar em reduzir receita sem antes fazer uma redução das despesas. Nosso primeiro grande esforço será para reduzir as despesas do estado de Mato Grosso, para quem sabe tenhamos condições de reduzir a carga tributária”.

Outro entrave para o desenvolvimento econômico do estado está na demora de se abrir uma empresa em Mato Grosso, média que varia entre seis meses e um ano.  Fato esse lamentável para o governador eleito, uma vez que o ambiente de negócio não se torna favorável para aqueles que querem investir no estado. “Temos um ambiente de negócio muito ruim, um estado com alta carga tributária, complexidade na legislação, que é uma teia de aranha de decretos, regulamentos e portarias. Essa confusão toda cria muito espaço para dúvida de interpretações, atuações são feitas, levadas a questionamentos na Justiça e o Estado de Mato Grosso tem um alto índice de demandas do contribuinte contra a Fazenda Estadual e vice-versa. Temos algo muito estranho e muito errado que vai precisar de uma revisão e uma simplificação tributária”, afirma. 

SECRETARIADO – Questionado sobre os possíveis secretários que irão compor o seu staff no Governo e quais secretarias serão extintas, Mendes prefere não adiantar qualquer informação. “Não tenho nomes em vista. Vamos começar a partir de agora, nas próximas semanas e meses, deveremos fazer essas definições. Entretanto, eu não gosto de especular. Então, não adianto nenhuma sondagem que eu esteja fazendo. Quando tiver tudo definido, certamente nós comunicaremos. Vamos fazer um estudo profundo da atual máquina. Fomos eleitos e um dos principais pontos, durante a campanha que comunicamos ao cidadão de Mato Grosso, é que precisaremos reduzir o tamanho da máquina pública. Vamos fazer um trabalho e ainda não temos definido o que vai ser cortado, alterado e enxugado. Isso será construído nos próximos 90 dias”, resumiu.

SEGUNDO TURNO – Após o resultado das eleições, Mauro Mendes revelou que seu voto para presidente da República foi em Jair Bolsonaro (PSL), que vai disputar ainda um segundo turno.  Porém, segundo ele, que essa manifestação não representa ainda um posicionamento do seu partido, o Democratas. “Declarei ontem (domingo), após o resultado das eleições, que eu como cidadão votei em Jair Bolsonaro. Entretanto, como governador eleito e membro de um partido, fazendo parte de um grupo de arco de aliança que me apoiou, para tomar essa decisão de quem apoiar no segundo turno, vou objetivamente fazer um trabalho para que possamos criar um consenso e tomar um rumo que seja melhor para todos. Política é uma atividade coletiva. Não posso tomar uma decisão sozinho. Meu voto é uma coisa e meu apoio enquanto governador eleito, enquanto membro de um partido, será feito fruto de um diálogo, que nós estamos mantendo em Mato Grosso e, em Brasília, também”. 

 

Direto da Redação, Sandra Costa

22 recomendado
comments icon 0 comentários
bookmark icon

Escreva um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *